Caminho de Inverno

O Caminho de Inverno é a entrada natural na Galiza ao vir da meseta, um acesso já usado pelos romanos. Pensa-se que pôde ser uma alternativa no período de inverno à dura subida aos cumes nevados d’O Cebreiro.

Camino de Invierno:

  • Distância 235 Km
  • Dificuldade Média-Alta
Ribeira Sacra

Durante um percurso de pouco mais de 200 km atravessa as quatro províncias galegas e históricas comarcas, cheias de personalidade e de atrativos como as de Valdeorras, Ribeira Sacra ou Deza. O Caminho de Inverno é a entrada natural na Galiza ao vir da meseta, um acesso já usado pelos romanos. Pensa-se que pôde surgir em alternativa, no período de inverno, à dura subida aos cumes nevados d’O Cebreiro, por onde o Caminho Francês penetra na Galiza, e também para evitar os transbordamentos frequentes dos rios do vale do Valcarce.

Arranca de Ponferrada — antessala das terras galegas, na comarca leonesa do Bierzo. Aqui, o peregrino desvia-se para a esquerda em vez de continuar em frente pelo Caminho Francês. O Caminho de Inverno segue praticamente o curso natural do caudaloso rio Sil pela comarca de Valdeorras pertencente a Ourense. Depois, percorre o sul da província de Lugo, continua pela comarca do Deza (Pontevedra) até chegar a Compostela. Ao todo, um pouco menos de 250 quilómetros pelas quatro províncias galegas.

Traçado do itinerário e recursos de interesse

O Caminho de Inverno segue praticamente o curso natural do caudaloso rio Sil pela comarca de Ourense de Valdeorras e o sul da Ribeira Sacra até às terras do Deza, centro geográfico da Galiza. Ao todo, uns 240 quilómetros que atravessam as quatro províncias galegas.

Os historiadores situam a origem deste itinerário no período romano: está documentada uma calçada secundária que partia das explorações de ouro de Las Médulas para a Via XVIII, que passava pela comarca de Valdeorras, e por onde se evacuavam as jazidas auríferas. O túnel romano de Montefurado é hoje também prova disso.

O itinerário foi seguido por diversos povos ao longo da história. Também serviu de entrada, no início do século XIX, às tropas invasoras de Napoleão. E por ela se construiu, em 1883, o primeiro traçado dos caminhos de ferro que comunicaria a Galiza com o resto da Península.

O Caminho de Inverno atrai por inúmeras razões: parte de Las Médulas, Património da Humanidade. Atravessa comarcas como a de Valdeorras ou parte da Ribeira Sacra, territórios de excelentes vinhos, cultivados muitas vezes em paisagens incríveis, e zonas onde o românico se propagou por igrejas e mosteiros. Em 2003, a Ribeira Sacra foi incluída pelo Conselho da Europa nos seus Itinerários de Interesse.

Visite o rico património monumental de Monforte de Lemos, ou as caves e a arquitetura tradicional de Chantada. Suba até ao cimo d’O Faro, de onde se divisam paisagens das quatro províncias galegas.

Em Lalín, conflui com a Via da Prata para continuarem juntos até Compostela. Ao todo, nove etapas onde o sossego que preside este itinerário alternativo, pouco transitado, é um dos seus principais aliciantes.