Caminho Inglês

A peregrinação jacobeia atraiu na Idade Média pessoas e sociedades de toda a Europa; também da "longínqua Europa"…

Desde Ferrol:

  • Distância 112,5 Km
  • Dificuldade Média

Desde A Coruña:

  • Distância 73 Km
  • Dificuldade Média
Barcas no Caminho Inglês

Dos chamados países escandinavos, como a Noruega, Suécia, Dinamarca, Finlândia e Islândia e, sobretudo, ingleses, escoceses, irlandeses e flamengos. Todos eles contribuíram para fixar o que hoje conhecemos como o Caminho Inglês. Chegavam dos respetivos portos à Galiza por mar, e atracavam em Ferrol ou Corunha — e também em Viveiro e Ribadeo, no litoral lucense —. A estratégica localização dos portos dessas duas importantes cidades galegas potenciou de forma evidente o trajeto.

O Caminho Inglês tem na Galiza duas alternativas: o itinerário a partir da Corunha é mais curto — 73 km — do que o que parte de Ferrol — 112,5 km. Os dois, cheios de atrativos e história, confluem a metade do caminho, na localidade de Bruma, onde continuam juntos os últimos 40 km até Compostela.

Traçado do itinerário e recursos de interesse

O Caminho Inglês tem na Galiza duas alternativas: o itinerário a partir da Corunha é mais curto — 73 km — do que o que parte de Ferrol — 112,5 km —. Os dois, cheios de atrativos e história, confluem a metade do caminho, na localidade de Bruma, onde continuam juntos os últimos 48 km até Compostela.

A história destas peregrinações começa do século XII. Em 1147 visitou o túmulo de Santiago uma esquadra cruzada de ingleses, alemães e flamengos. Iam com destino à Terra Santa e parte daquela expedição veio também à conquista de Lisboa, onde ajudaram o primeiro rei de Portugal a tomar a cidade, que seria capital do reino.

São várias e relevantes as marcas de peregrinações históricas pelo Caminho Inglês. Do monge islandês Nicolás Bergsson chegou-nos a descrição escrita da sua viagem a pé desde Islândia até Roma passando por Santiago. Semelhante proeza levou-lhe cinco anos, de 1154 até 1159. Dois séculos mais tarde, durante a conhecida como "Guerra dos Cem Anos" encetada entre França e Inglaterra, os britânicos usaram o barco para ir a Santiago. Peças de cerâmica e numismática inglesas dos séculos XIV e XV achadas nas escavações da catedral são prova da presença desses peregrinos. As oferendas ao apóstolo também deixaram testemunho deste itinerário.

A rutura do rei Enrique VIII (1509-1547) com a Igreja Católica devido ao seu divórcio com Catalina de Aragão — origem da Igreja de Inglaterra e do anglicanismo —, provocou o fim da peregrinação inglesa e condenou este itinerário ao ostracismo durante séculos. Até hoje, época de revitalização e de novas formas de peregrinação. Os múltiplos atrativos de Ferrol ou Corunha são o pórtico do itinerário; e Pontedeume ou Betanzos são dois locais imprescindíveis para entender a história "inglesa" do Caminho.