Caminho do Norte

Por este caminho passavam devotos de todo o norte da Península, e inclusivamente — por terra ou por mar — provenientes de outros territórios como Inglaterra, Flandres, Alemanha e Escandinávia.

Por Ribadeo :

  • Distância 195,5 Km
  • Dificuldade Média

Por Santiago da Ría de Abres:

  • Distância 191,1 Km
  • Dificuldade Média
Caminho do Norte

Após o Caminho Primitivo, este itinerário, que transita pela costa asturiana e entra na Galiza pela ria de Ribadeo, alcançou relevância na baixa Idade Média. Então, as peregrinações marítimas estavam no seu apogeu e em Oviedo começou a realizar-se o Jubileu da Santa Cruz.

Os peregrinos do final da Idade Média, ávidos por venerar relíquias e ganhar indulgências, visitavam Oviedo como complemento da sua viagem piedosa a Compostela.

Traçado do itinerário e recursos de interesse

O Caminho entra na Galiza atravessando o mar Cantábrico através da formosa ria de Ribadeo. Alguns peregrinos optavam por ladeá-la, transpondo o rio Eo, para atravessá-lo depois pela ponte de Santiago de Abres. Hoje, a Ponte dos Santos aproximou as duas comunidades autónomas.

O Caminho do Norte manteve vitalidade até ao século XVIII. E não só atraía peregrinos asturianos mas por ele passavam devotos de todo o norte da Península, e inclusivamente — por terra ou por mar — provenientes de outras zonas da Europa como Inglaterra, Flandres, Alemanha e Escandinávia. Muitos dos peregrinos chegavam atraídos pelas relíquias do santuário de San Salvador de Oviedo e logicamente pela catedral compostelana.

Foi um itinerário de ilustres peregrinos. Vinculou São Francisco de Assis, que, conforme a tradição, peregrinou a San Salvador de Oviedo e a Santiago no ano de 1214. No fim do século XV fá-lo-ia, tanto para a ida como para a volta, o bispo arménio Mártir de Azerbaijão. No século XVI, Jacobo Sobieski, pai do rei Juan III da Polónia. E do fim do XVIII ficou-nos o testemunho escrito do francês Jean Pierre Racq.

Depois de Castropol — última localidade das Astúrias — o Caminho entra na Galiza atravessando o mar Cantábrico através da formosa ria de Ribadeo. Alguns peregrinos optavam por ladeá-la, transpondo o rio Eo, para atravessá-lo depois pela ponte de Santiago de Abres. Hoje, a Ponte dos Santos aproximou as duas Comunidades Autónomas.

O ponto de partida na Galiza é Ribadeo, na província de Lugo. A partir daqui até à catedral de Santiago distam 198 km. O itinerário está assinalado por intermédio de uma placa de cerâmica com a representação da vieira. O caminhante agradece estas informações, que completam a indicação básica da seta amarela.

Em 2015, o Caminho do Norte foi reconhecido pela UNESCO, juntamente com o Caminho Primitivo, como Património da Humanidade, o máximo reconhecimento que um bem cultural pode receber. Além disso, caminharemos por paisagens que são Reservas da Biosfera, como o ambiente do rio Eo ou as conhecidas como Terras do Minho, entre outras.