Caminho de Fisterra e Muxía

Este itinerário jacobeu tem a sua origem na cidade de Santiago e a sua meta no cabo Fisterra e no Santuário da Virxe da Barca de Muxía.

Muxía-Fisterra:

  • Distância 90,9 Km
  • Dificuldade Média

Fisterra-Muxía:

  • Distância 117,6 Km
  • Dificuldade Média
Barcos de pesca no porto de Fisterra

Até ao fim da Idade Média, a Costa da Morte era o último reduto de terra conhecida. O lugar por onde os povos pré-romanos acreditavam que as almas ascendiam ao céu. Um espaço mítico e simbólico que deixaria boquiabertos os conquistadores romanos quando vissem desaparecer o sol por trás do imenso oceano. Desde então, a extremidade do cabo de Fisterra magnetiza da mesma forma cada visitante.

O Caminho jacobeu de Fisterra e Muxía é a representação mais fiel desse histórico grito do peregrino, que exclama Ultreia! ("Vamos para além!"), enquanto outro lhe responde Et suseia! ("E mais para cima!"). Pois é efetivamente para além da meta em Compostela — depois de se ter prostrado diante dos restos do apóstolo Santiago — que muitos peregrinos decidem conhecer este fim do mundo, e não duvidam em ultrapassar os sacrifícios das duras jornadas passadas para andar, pelo menos, mais uns quatro ou cinco dias. São 89 os quilómetros que faltam para Fisterra e 87 para Muxía.

Traçado do itinerário e recursos de interesse

O Caminho jacobeu de Fisterra e Muxía é a representação mais fiel desse histórico grito do peregrino, que exclama: Ultreia! ("vamos para além!"), e outro respondia: Et suseia! ("e mais para cima!").

A história deste itinerário foi uma mistura de paganismo e posterior processo de cristianização. A partir do século XII, o Códice Calistino já vincula este Caminho com a tradição jacobeia. Além disso, duas das devoções religiosas mais populares da Galiza têm a sua sede em Fisterra e Muxía: o Santo Cristo de Fisterra — do qual o licenciado Molina (séc. XVI) afirma que "a ele acodem os mais romeiros que vêm ao Apóstolo"— e o santuário da Virxe da Barca de Muxía.

O topónimo duplo do Caminho — Fisterra e Muxía — indica que são dois os destinos últimos deste — chamemos-lhe — final depois da meta. No lugar de Olveiroa, o Caminho bifurca-se: podemos chegar primeiro a Fisterra através de Corcubión, ou a Muxía. Seja qual for a nossa decisão, é obrigatório caminhar depois entre as duas vilas num trajeto impressionante de luz e natureza na sua expressão máxima.

Atrás teremos deixado uma belíssima saída inicial de Santiago entre carballeiras centenares e o leito do poético rio Sarela. Depois, a passagem pela vila de origem medieval de Negreira ou a comarca pecuária de Xallas.

+ Informação
Documentos